12/09/2019

Mirlene Picin quebra recorde em provas sul-americanas



Por Redação Runner's World Brasil

Mirlene Picin, atleta nascida em Mogi Mirim, São Paulo, tornou-se a maior medalhista brasileira de um esporte olímpico em competições sul-americanas. E tanto entre as categorias masculinas e femininas quanto entre as modalidades de inverno e verão. Mirlene conquistou três medalhas de bronze na segunda etapa do Campeonato Sul-Americano de Biathlon 2019. Agora, soma 32 ao longo da carreira. 

As disputas aconteceram no Centro de Ski Nórdico de Cerro Otto, em Bariloche, na Argentina, de 27 a 30 de agosto. Mirlene Picin garantiu o terceiro lugar nas três provas em que participou: Sprint, de 7,5 km com duas paradas de tiro; Pursuit, de 10 km com quatro paradas de tiro; e Mass Start, com 12,5 km e quatro paradas de tiro.

Durante a primeira etapa do evento, realizada no início de agosto em Rio Blanco, na Chile, Mirlene já havia levado três pratas. Na ocasião, uma condição climática raríssima deixou a estação de ski de Portillo sem neve. Portanto, as provas precisaram ser adaptadas para a versão de verão (cross biathlon com corrida). 

Antes de Mirlene, a maior medalhista em campeonatos sul-americanos era Piedade Coutinho. A atleta, falecida em 1997 (77 anos), conquistou 30 medalhas da natação. Junto com Joanna Maranhão, elas dividem a honra de ter o melhor resultado da modalidade feminina de piscina do Brasil em jogos olímpicos. 

Mirlene, até julho do ano passado, estava atrás de Piedade, com 29 pódios. Agora, soma 32. A conta, em um primeiro momento, parece não bater. Isso porque durante a primeira etapa do Campeonato Sul-Americano de Biathlon, ela levou três medalhas para casa. Na segunda fase, mais três. O total, então, deveria ser 35, e não 32. No entanto, a atleta não contabilizou os resultados das primeiras provas, no Chile. “Foram provas com toda a validade oficial. Mas como foram corridas pela falta da neve, penso que o mais justo seria não contá-las”, diz a atleta.

Apesar de só ter tido contato com a neve aos 27 anos, Mirlene foi a primeira mulher brasileira a competir no biathlon de inverno, em 2008. A modalidade olímpica une duas disciplinas (ski cross country + tiro com rifle 22). Já as provas variam entre 10 e 20 quilômetros para os homens e 7,5 e 15 para as mulheres. E podem aparecer nos seguintes formatos: Sprint, Individual, Perseguição, Mass Start, revezamentos por sexo e mistos.

Em 2009, Mirlene Picin tornou-se a primeira medalhista brasileira de biathlon. Mas seus feitos não param por aí. Também é a única brasileira, entre homens e mulheres, campeã sul-americana overall (soma das duas etapas). O título foi conquistado em 2011 com três medalhas de ouro e duas de prata.

“Atingir a marca é muito gratificante e um resultado realmente expressivo, marcante.  Mas, para mim, esse número de medalhas é mais sobre longevidade no esporte do que qualquer outra coisa. Afinal, são 11 anos competindo. É sobre consistência”, afirma a atleta. Atualmente, ela também corredora de rua e de montanha. E comenta esportes de neve nos canais Globo e SporTV.

Fonte: https://runnersworld.com.br/mirlene-picin-maior-medalhista-brasileira/